quarta-feira, 18 de maio de 2016

POLICARPO QUARESMA
Lima Barreto

 Capítulo I - A lição de violão
(fragmento)

               Vivendo em casa própria e tendo outros rendimentos além do seu ordenado, o Major Quaresma podia levar um trem de vida superior aos seus recursos burocráticos, gozando, por parte da vizinhança, de consideração e respeito de homem abastado.
               Não recebia ninguém, vivia num isolamento monacal, embora fosse cortês com os vizinhos que o julgavam esquisito e misantropo. Se não tinha amigos na redondeza, não tinha inimigos, e a única desafeição que merecera, fora a do doutor Segadas, um clínico afamado no lugar, que não podia admitir que Quaresma tivesse livros: “Se não era formado, para quê? Pedantismo!”
               O subsecretário não mostrava os livros a ninguém, mas acontecia que, quando se abriam as janela da sala de sua livraria, da rua poder-se-iam ver as estantes pejadas de cima a baixo.
Eram esses os seus hábitos; ultimamente, porém, mudara um pouco; e isso provoca comentários no bairro. Além do compadre e da filha, as únicas pessoas que o visitavam até então, nos últimos dias, era visto entrar em sua casa, três vezes por semana e em dias certos, um senhor baixo, magro, pálido, com um violão agasalhado numa bolsa de camurça. Logo pela primeira vez o caso intrigou a vizinhança. Um violão, em casa tão respeitável! Que seria?
E, na mesma tarde, uma das mais lindas vizinhas do major convidou uma amigas, e ambas levaram um tempo perdido, de cá para lá, a palmilhar o passeio, esticando a cabeça, quando passavam diante da janela aberta do esquisito subsecretário.
Não foi inútil a espionagem. Sentado no sofá, tendo ao lado o tal sujeito, empunhando o “pinho” na posição de tocar, o major, atentamente, ouvia: “Olhe, major, assim”. E as cordas vibravam vagarosamente a nota ferida; em seguida, o mestre aduzia: “É ‘ré’, aprendeu?”
Mas não foi preciso pôr na carta; a vizinhança concluiu logo que o major aprendia a tocar violão. Mas que coisa? Um homem tão sério metido nessas malandragens!
Uma tarde de sol – sol de março, forte e implacável – aí pelas cercanias das quatro horas, as janelas de uma erma rua de São Januário povoaram-se rápida e repentinamente, de um e de outro lado. Até da casa do general vieram moças à janela! Que era? Um batalhão? Um incêndio? Nada disto: o Major Quaresma, de cabeça baixa, com pequenos passos de boi de carro, subia a rua, tendo debaixo do braço um violão impudico.
É verdade que a guitarra vinha decentemente embrulhada em papel, mas o vestuário não lhe escondia inteiramente as formas. À vista de tão escandaloso fato, a consideração e o respeito que o Major Policarpo Quaresma merecia nos arredores de sua casa, diminuíram um pouco. Estava perdido, maluco, diziam. Ele, porém, continuou serenamente nos seus estudos, mesmo porque não percebeu essa diminuição.
Quaresma era um homem pequeno, magro, que usava pince-nez, olhava sempre baixo, mas, quando fixava alguém ou alguma cousa, os seus olhos tomavam, por detrás das lentes, um forte brilho de penetração e era como se ele quisesse ir à alma da pessoa ou da cousa que fixava.
               Contudo, sempre os trazia baixos, como se se guiasse pela ponta do cavanhaque que lhe enfeitava o queixo. Vestia-se sempre de fraque, preto, azul, ou de cinza, de pano listrado, mas sempre de fraque, e era raro que não se cobrisse com uma cartola de abas curtas e muito alta, feita segundo um figurino antigo de que ele sabia com precisão a época.           
Quando entrou em casa, naquele dia, foi a irmã quem lhe abriu a porta, perguntando:
– Janta já?
– Ainda não. Espere um pouco o Ricardo que vem jantar hoje conosco.
– Policarpo, você precisa tomar juízo. Um homem de idade, com posição, respeitável, como você é, andar metido com esse seresteiro, um quase capadócio – não é bonito!
O major descansou o chapéu-de-sol – um antigo chapéu-de-sol, com a haste inteiramente de madeira, e um cabo de volta, incrustado de pequenos losangos de madrepérola – e respondeu:
– Mas você está muito enganada, mana. É preconceito supor-se que todo o homem que toca violão é um desclassificado. A modinha é a mais genuína expressão da poesia nacional e o violão é o instrumento que ela pede. Nós é que temos abandonado o gênero, mas ele já esteve em honra, em Lisboa, no século passado, com o Padre Caldas, que teve um auditório de fidalgas. Beckford, um inglês notável, muito o elogia.
– Mas isso foi em outro tempo; agora...
– Que tem isso, Adelaide? Convém que nós não deixemos morrer as nossas tradições, os usos genuinamente nacionais...
– Bem, Policarpo, eu não quero contrariar você; continue lá com as suas manias.
............
A razão tinha que ser encontrada numa disposição particular de seu espírito, no forte sentimento que guiava sua vida. Policarpo era patriota. Desde moço, aí pelos vinte anos, o amor da Pátria tomou-o todo inteiro. Não fora o amor comum, palrador e vazio; fora um sentimento sério, grave e absorvente. Nada de ambições políticas ou administrativas; o que Quaresma pensou, ou melhor: o que o patriotismo o fez pensar, foi um conhecimento inteiro do Brasil, levando-o a meditações sobre os seus recursos, para depois então apontar os remédios, as medidas progressivas, com pleno conhecimento de causa.

Estudo do texto

01. Identifique no texto características físicas e psicológicas do Major Quaresma.

02. Onde se ambienta a ação do trecho lido?

03. Que novidade rompe a rotina mantida pelo major?

04. O que garante a Quaresma o prestígio que ele goza em seu bairro, apesar de ser esquisitão?

05. Em que momento o prestígio sofre um abalo? Por quê?

06. Como reagiram os vizinhos ao verem o major carregando um violão?

07. Por que Quaresma decidiu estudar violão? O que essa decisão mostra sobre sua personalidade?

08. Relacione as palavras do texto com o seu significado.

(A) misantropo   (B) pejadas  (C) palmilhar  (D) aduzia  (E)impudico  (F) capadócio

(   ) obsceno
(   ) a quem aborrece a companhia humana
(   )trapaceiro
(   ) percorrer
(   ) ocupar sem deixar espaço


Respostas:


01. Físicas: pequeno, magro, usava pince-nez, tinha cavanhaque e usava fraque.
  Psicológicas: excêntrico, metódico, esquisito, misantropo, sério e gostava de ler livros.
02. Na casa do major, na rua São Januário.
03. As aulas de violão.
04. Seu bem-estar econômico o transforma numa figura respeitável.
05. Quando começa a ter aulas de violão, porque na época havia forte preconceito contra esse instrumento musical, considerado coisa de malandro.
06. Provocou uma reação coletiva de espanto e reprovação.
07. Porque aprender significava não deixar morrer as nossas tradições, os usos genuinamente nacionais. Seu aprendizado é um ato de patriotismo.
08.
(E) obsceno
(A) a quem aborrece a companhia humana
(F) trapaceiro
(C) percorrer
(B) ocupar sem deixar espaço


Nenhum comentário:

Postar um comentário